sábado, 31 de janeiro de 2009

E Gouveia?


Gouveia hoje estava na mesma. Ontem estive fora e agora, que estou de volta vejo tudo na mesma.
O que se passa? Onde anda esta juventude? Isto cá tem muita gente e é estranho que eles estejam todos fora de fim-de-semana.
Eu lá por terras D. Dinis não encontrei ninguém de cá? Onde foram? Em Lisboa também não vos vi. Nem em Coimbra. Estão em casa? Foram ao “Frum” ou ao “Degelo” a Biseu? Ver outra vez aquelas mesmas montras e o mesmo esguicho de agua e o vizinho que também andava lá com o saco de plástico na mão e a família atrás?
Não vão a Gouveia porque não há lá mais ninguém é? Mas assim ninguém vai.
Olhem que o agradecimento que os de Biseu nos dão por irem lá gastar a cheta é nenhum. Eu não os tenho visto cá a gastar nada.
Depois isto tá mau… Tá tá!!!
Põem-no mau e depois queixam-se que tá mau.
E também, ficar aqui a fazer o quê? Não é o que estão a pensar?
Os comerciantes são simpáticos? Abrem a porta ao Domingo? Os restaurantes têm assim coisas diferentes? Há musica ao vivo e vida e cor?
Não há pois não?
Pois e de quem é a culpa? É do Álvaro Amaro? Ele nem sabe cantar, nem o estou a ver a servir à mesa…
A culpa é de todos.
Dos que fogem, dos que ficam e que tão mal servem sem o sorriso. É dos que não inovam no condimento e dos que não abrem a porta ao Domingo.
A culpa é dos que falam mal disto e não entendem que, quem faz o mal, são eles!
A culpa é de quem não investe a pensar que não vale a pena. E não vale mesmo porque não investiu, Só por isso!
Amanha é Domingo e eu não vou a Biseu porque te quero ver aqui.
O fracasso assim como o sucesso são como as bolas de neve, é com o rolar da coisa que aumenta.
E de neve entendemos nós, que é coisa que não cai lá.
Lá onde ias antes, lembras-te?

Stand up Comedy



“Do Inglês (comédia em pé)”
Eu fui ver o Fernando Rocha. Ena tanta asneirada que diz o gajo!!!
Não queria ir, cheirava a brejeirice, mas seja como for, eu fui e vi e paguei e assimilei aquela asneirada toda.
Confesso que me ri e já não me ria assim tanto há tanto tempo que tenho que tirar o chapéu ao moço. Tanta asneirada, tanta, que ao jurei contar as asneiras e ao fim de 1 minuto já não tinha dedos na mão nem no pé. Só visto.
Mas comecei a perceber uma coisa poderosa naquilo tudo, estava ali todo aquele pipol a chorar de tanto rir, a pontos de esquecer os problemas do dia-a-dia.
A serio, não acredito que, se havia ali alguém a dever a prestação mensal da casa, a doença do avô ou o contrato do emprego que vai terminar, que o não tivesse esquecido.
Parecia uma bebedeira, saudável, em que as pessoas saíram do mundo deles e esquecem tudo em prol de rir e rir e rir. Eu até aposto que se perderam ali umas pingas de urina…
Bem, o homem está a ganhar a vida, acredito que sim, mas, ele acima de tudo, está a fazer um serviço público imensurável! Pondo de parte o asneiredo, ele conseguiu, o que pouca gente que ganha bem mais, consegue.
Agarrando no exemplo do Sr Sócrates, (tenho tanto medo de falar dele como da GNR de Gouveia ou do Papão) este Sr é um comediante sem sucesso, se bem que deve ganhar mais que o F. Rocha.
É que depois do que li no post “Outravez o Socras…” do meu amigo “Turbulento” este Sr. Socras tem mais talento do que lhe é reconhecido.
Mas comparemos os dois:
Ele levanta-se, faz uma cara alegre, diz umas babosices e a malta dele aplaude. OK, até aqui é tal e qual o F. Rocha. Com a diferença de que em vez de uns ou outros perderem umas pingas de urina de tanto rir, eu já acho que, no caso dele, a malta está-se mais a cag@r. (é pá, desculpem lá o termo).

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Outra vez Sócras...

























Meu caro Noddy: Paixão? Paixão é o que têm os Portugueses pelo 'nosso' José. O sócrates, sabes? Aquele Senhor que resiste a tudo. Primeiro foi a sua propalada tendência gay, nada alheia à circunstancia de ter sido considerado um dos cinco politicos mundiais com mais glamour e com mais 'corpo' para os seus fatos Armani.


Depois, foram os projectos daqueles mamarrachos horriveis da Guarda, que mesmo assim o ENG. não conseguiu idealizar nem desenhar. A troco de uns cobres, fez uns jeitos a colegas seus da Câmara daquela cidade, que lhe pediram para assinar documentos que não eram da sua autoria, o que podendo ser banal neste país banana, é impróprio para um homem que é hoje Primeiro Ministro.


Veio a seguir o escândalo do seu curso de engenharia tirado 'Ao Domingo' numa Universidade indigna, deixando a sensação que os cobres ganhos nas suas malfeitorias guardenses serviram para alguma coisa.


Agora fustigam-no com o caso Freeport e com as suspeitas de que recebeu luvas, das grandes, para viabilizar aquela área comercial em Alcochete.


Perante estas revelações, o nosso Povo o que diz ou faz? Nada. Continua apaixonado pelo Senhor.


Esta paixão, como aquela de que fala o outro escriba deste blogue, é como uma incapacidade acidental. Passa, mas enquanto dura é autista, cega, irrascivel e irracional. A paixão é isto. É um sentimento que nos domina, que tem mais força que nós, que nos corroi e que nos afunda o pensamento. É uma doença, uma obsessão, uma impossibilidade de controlo, uma força que nos leva para onde ela quer e não para onde nós queremos.


Neste estado, o intelecto tende depois a transformar a paixão em amor e respeito. Como o Senhor não é amado, a não ser porventura pela namorada, os portugueses tendem a passar da fase da paixão para a fase da compaixão.


Não tarda, o homem, pródigo na auto-vitimização, já inspirará pena e será merecedor de clemência. Isto, está claro, porque a Justiça não tem resposta célere para casos complexos e agora até tem de se confrontar com a novissima doença de Parkinson do seu tio e com a impossibilidade médica (comprovada por um amigo de José) de prestar depoimento no caso que pode desfraldar e por o inefavel José Socrates a pão e laranjas ou debaixo de um qualquer coqueiro no Brasil.


Mas como não é isso que vai acontecer, o lider do PS ainda acaba por se demitir para provocar eleições antecipadas e ir a votos antes do escândalo rebentar a sério. Como tem a compaixão de quase todos, arrisca-se a ser outra vez o Primeiro. Parabéns Portugal.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

A paixão



O que será que me fez expirar? O que foi esta gripe? E porque tive eu uma dor aqui ou ali? Não sabe? O doutor sabe, aliás eles parecem saber tudo não é?
E a paixão? Não anda por ai nenhum Sensei que saiba o que isso é.
Coisa que dói mas não se sente… Coisa que não sai só por querer e nem na farmácia há cura.
O que será esta coisa que nos morde? Porque haveremos de sofrer disto?
Move mundos e fundos, cola grandes a pequenos, une gregos e troianos.
É droga que faz falta e é coisa que anima a malta.
Que coisa é esta que me morde?

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A televisão e/é a crise




A televisão é perversa.
E é mesmo pois! Olhem para lá para dentro com cuidado e vejam se não tenho razão. Imaginem há 100 anos alguém a olhar assim tão fixamente para uma coisa. Uma coisa perversa é o que aquilo é.
As pessoas que tenho como mais eruditas e fortes de espírito dizem de forma descansada que não vêm televisão. “A televisão polui-me a mente”, dizem “e eu não deixo que isso aconteça”.

Vejamos o poder destas coisas geridas por seres manipuladores: Um dia todos os canais davam em anunciar o fim do mundo em que só se safa quem tiver mais riqueza para comprar a passagem para o outro lado. Divagando… Era malta logo a matar, roubar e a pilhar para amealhar para a passagem. Claro, nem todos, só os que vêm televisão, e desses nem todos iam cair na tanga e não saíam de casa na euforia dos mais tolos.
Sim, o mundo ia ficar dividido entre os que pilhavam e os que seriam pilhados. Os tais que ficaram descrentes em casa, seriam as vítimas directas dos loucos que amealhavam o que aparecia.

Bem, não sei se tal seria assim tão caótico, mas para quem não acredita pode ver já um ensaio dessa cena que descrevi. É fácil, ligue a sua TV e espere pelo noticiário. Depois lentamente observe as ruas deste País em 2009 e assista.
Assista mas não se envolva no acto nem se deixe pilhar. Pense assim: é só um ensaio do que poderia acontecer se a televisão quisesse.

Zangado com Álvaro Amaro



Pois é, ando zangado com o Sr. presidente da Câmara e tenho que desabafar e é já aqui!
Eu sou de andar de mota. Mota do monte como lhe chamam e é coisa que prezo e já faço há uns anos.
Bem, quando eu comecei neste vício, havia caminhos de terra batida, maus e ruins por todo o lado.
Eu e o meu compadre íamos de terra em terra sempre a rasgar e mal tocávamos em alcatrão. Informo que o alcatrão nos lixa o pneus à séria.
Era de Gouveia ao Arcozelo e dali para Rio Torto, Vila nova, Lagarinhos, Paços da Serra e de volta à base e sempre a esfarrapar calhau e lama… Bem, isso era dantes!
Agora? Agora Sr. Presidente, não se pode! Não há paroquia que não tenha o caminho velho barrado de negro. Não se faz, é alcatrão por todo o lado.
Tá bem que as couves assim estão mais à mão, e eu? E agora para onde vou de mota?
Caro Dr. Álvaro Amaro, assim não! É muito progresso para os meus pneus.

Lavar roupa suja!

Está o meu compadre escrivão a tratar da saúde do concelho e eu, já velho, aqui a esgrimir contra a maré…



Bem, vim aqui lavar roupa suja!
Andei a ver o comments dos nossos tão estimados commenters e tenho um favor a pedir a todos. Preparem-se que é complicada a coisa. Há três tipos de commenters. Cá vai:

1. A todos aqueles que se dignam a entrar no nosso BLOG com o intuído de concordar com o que dizemos: São bem vindos. Muito bem vindos mesmo;

2. A todos aqueles que entram no nosso BLOG a discordar connosco e com a nossa ideologia: São ainda mais bem vindos. Aliás e sem qualquer sarcasmo, são vocês que dão espírito critico ao Blog. É convosco que todos os nossos seguidores aprendem e nós também. A sério, muito a sério. Em nome do Blog da Estrelas de Gouveia, temos o maior respeito pela vossa opinião, se bem que possamos defender ideais diferentes.

3. A todos aqueles que entram no nosso BLOG com intenção de nos ofender ou ofender aqueles que postam a sua opinião de forma pejorativa ou não educada dizemos: Mantenham-se nas páginas de pornografia onde até agora estiveram, a roubar a NET wireless do vizinho, a fugir ao fisco ou a cobiçar aquela ou aquilo que nunca vão ter. Esses não os queremos cá, nem as mensagens deles, e como tal teremos que as mandar para onde os autores delas estão, para o lixo.

É que nós, os opinantes com dignidade, vamo-nos mantendo por cá. A negociar opiniões, aprendendo uns com os outros de forma respeitosa e educada.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Gouveia Cidade


Desculpem a desfocagem da fotografia, mas foi o que se conseguiu arranjar... O que ela diz, tremidamente, é que no próximo dia 1 de Fevereiro se vai comemorar o 21º aniversário da elevação de Gouveia a cidade.

Muitos dirão, como já disseram no passado, que tremido é o estatuto de cidade que nos conferiram.

A nós e a muitos outros.

É um pensamento correcto se compararmos a nossa terra com outras cidades mais pujantes, que são a maioria. Mas é a revelação de uma auto-despromoção, um tique de menoridade, se a compararmos com outras cidades mais pequenas e ainda mais frágeis.

Seja como fôr, é bom que todos percebamos que a elevação de uma vila a cidade tem reflexos orçamentais importantes, pois passa a receber do Estado uma comparticipação do FEF (Fundo de Estabilidade Financeira) bem mais simpática, ainda que pouco choruda.

Basta este beneficio para que tenhamos razões para lembrar e comemorar este já longinquo acontecimento. É claro que ninguém se excita com ele, porque fica sempre a sensação que é melhor viver numa boa vila do que numa má cidade. Pior que isso é mesmo viver numa má vila ou numa má aldeia. Não é o nosso caso. Por isso e apesar da 'crise' de que se fala no post anterior, aqui fica o programa, para quem queira associar-se à iniciativa e procure uma manhã de Domingo diferente das outras:

10.30h - Sessão solene na Câmara Municipal
Orador convidado: Prof. João Caldeira Cabral, que falará de requalificação urbana e qualidade de vida.
Apresentação do livro 'Gouveia Século XXI - Objectivo qualidade

11.30h - Descerramento de placas alusivas aos novos topónimos da cidade:
Rua Dr. Aureliano Dias Gonçalves
Rua Dr. Mário Gomes Figueira
Rua Eulália Mendes
Rua Dr. Fernando Rebelo

P.S. - Não se admirem que sejam noticiadas neste blogue muitas das iniciativas politicas, culturais, desportivas, de lazer e outras que por cá vão ocorrendo. É que esta página já chega a quase 6000 pessoas e nunca mais nenhuma delas pode dizer, como diz habitualmente, que não está presente no que é feito porque desconhece em absoluto que se realizou... A partir de agora, basta 'olhar para nós'. Aqui fica o desafio.



segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A crise

É controverso este meu post.
O meu amigo aqui abaixo a dizer verdades que mexem com o Pais, e eu a postar uma coisa destas.
Mas, caramba, não tem isto uma boa pitada de verdade?

Se não conseguir ler clique na imagem.

Porque somos diferentes...

Foi hoje publicado o resultado de uma sondagem em Inglaterra que diz que o primeiro-ministro Gordon Brown cai nas intenções de voto à medida que a economia britânica entra em recessão.
Por cá a recessão é também já uma evidência (porventura há muito tempo), mas o primeiro ministro português parece continuar imune, mantendo - mais coisa menos coisa- os seus niveis de popularidade e de contentamento por parte do Zé Povinho.
Noutros países, mais exigentes e desenvolvidos, a responsabilidade da crise é interna. Em Portugal, essa responsabilidade vem de fora, é dos outros e não do Governo da Republica. Que estranho...
Não sei quem está a pensar melhor, mas causa perplexidade esta 'letargia' (não sei como lhe chame) do povo português. Pode argumentar-se que a oposição não entusiasma, que Manuela Ferreira Leite não convence e que nenhuma outra alternativa séria de governação se encontra no panorama politico-partidário do país. Mas se assim fôr, o mínimo que as sondagens podiam e deviam refletir era uma dimninuição da intenção de voto em José Sócrates e um aumento da abstenção ou dos votos brancos.
Não é isso que acontece. Em Portugal, já pouco parece importar se Sócrates recebeu ou não luvas no caso 'Freeport', se assinou ou não projectos de outros em cuja elaboração não participou ou se é ou não respeitador da lei, da ética ou da moral, se está ou não a destruir a classe média portuguesa com os impostos insuportáveis que lhes cobra, se quer ou não combater os 'Offshores', se tem ou não evitado a galopante subida do desemprego e das falências (hoje foi a Philips Portugal quem anunciou o seu fim), se vai ou não hipotecar e destruir o país com a construção do TGV e se tem ou não tomado medidas que evitem a perigosissima desertificação do interior. O Senhor tem sido superior a tudo isto, pelo que se não for engenheiro (há quem diga que não é) é, pelo menos, engenhoso.
`
Pelos vistos, é disto que o Povo gosta. Circo, entretenimento, fantasia, engôdo e embuste. Somos mesmo diferentes...

domingo, 25 de janeiro de 2009

Caros Srs Professores, só os ofendidos pelo que disse ali

Não me digam que não gostaram das minhas palavras!
O Sr Professor não fique assim comigo. Se me acha mal informado por favor informe-me melhor.
Ou o meu comentário foi muito desgraçado ou escrevi algo que o molestou em demasia.
Refere-se ao meu sucesso escolar sem o conhecer (típico de professor), aponta-me erros e não me diz quais são (típico de professor), aponta que não sei a língua de Camões e em vez de me ensinar, manda-me para o dicionário (típico de professor), assinala outras matérias que devo rever e não as enuncia (típico de professor) e o que mais me arrelia é que insinuou que sabe mais do que eu sobre o assunto e não me pôs ao corrente (típico de professor).

Vem outro Sr. comentador a escrever palavras que insinuam que eu defendo o modelo de avaliação ou este Governo e gostei do que escreveu. Mas saiba que não sou a favor do modelo, e confesso que o desconheço a fundo, mas sou a favor da avaliação e não acredito que haja modelo que agrade os tais professores a que me referi, a não ser um modelo de avaliação que não avalie.
Mantenho o que disse e em especial que os professores mais novos não são os que marcham, como mostra a TV.
Quanto ao Governo… ai o Governo! Acredite que não o defendo. Só peço ao Charles do FreePort e os demais que o agitem bem para que caia antes do tempo da cereja.

Por fim, ao amigo Anónimo, que me chamou de pobre criatura, tenho a agradecer o elogio que fez à minha escrita, digna de “Gato Fedorento”. São eles, são eles que escrevem assim e vão para a TV ganhando pipas de massa. Não os Anónimos. Eles é que sim. Olhe, eu, é que não sou professor de certeza.

Gouveia na frente

Esta é a imagem do stand com que Gouveia se apresentou na BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa). Verdadeiramente notável. Uma imagem de vanguarda, de modernidade, de futuro e de qualidade. No pavilhão 2, ninguém podia ficar (nem ficou, seguramente) indiferente à forma como o nosso Concelho se exibiu e mostrou às milhares de pessoas que por ali passaram. Sem vaidade, não é demais afirmar que se tratou de um dos mais criativos e apelativos espaços da feira. Os produtos exibidos e a boa aparência das assistentes que o Município e a DLCG (com o prestimoso apoio do Instituto de Gouveia, é justo realçar), também marcaram a diferença. Parabéns aos responsáveis pela iniciativa, pois a aposta no Turismo passa, desde logo, pela divulgação, hoje com cada vez mais requinte, das nossas ofertas. Não havia na FIL nenhum concelho do interior a apresentar-se com o nivel do nosso. Nem pouco mais ou menos. Seia, por exemplo, mostrou uma estrutura que se revelou pobre e inestética. Até o verde com que pintou o pladur enjoava... É pena que no pavilhão 1, aquele por onde entrava a esmagadora maioria do público, estivessem três grandes representações (Algarve, Madeira e Açores), que pela sua grandeza e investimento na promoção das respectivas regiões, ofuscavam todas as demais. Mas nós superámos o que de nós podia ser exigido, daí a minha satisfação. Éstá claro que o potencial e a riqueza dos Concelhos das regiões não se mede pela participação em Feiras nem pela originalidade e atractividade dos seus stands.
Mas estando a indústria do Turismo virada para o exterior, para captação de pessoas, também é claro que quanto melhor nos exibirmos nestes certames mais hipoteses temos de ser 'surpreendidos' com a passagem e com a fixação de gente no Concelho. Aqui fica, pois, a nota positiva deste fim de semana.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Avaliação dos Professores.

Há dias e dias que eu ando para postar sobre isto.
Ora vejamos, o amigo leitor trabalha em algum lado, certo?
O seu patrão faz questão de que seja cumpridor, logo está a avalia-lo ou não?
Agora veja a importância que tem o professor na estruturação da criança como futuro adulto bem ou mal educado.
Não era de ter esta classe hiper-avaliada? Onde está o erro da Ministra? Só de não o ter feito à mais tempo!
O ensino é possivelmente uma das razoes pelas quais o Portugal está na mó de baixo.
Numa empresa que eu conheço, andam atrás de 4 licenciados em 2 áreas tecnológicas e não aparece ninguém que esteja à altura. Aparece muita gente, isso sim, o IEFP está a fazer bem a coisa, mas gente formada e bem formada não.
Vêm com notas altas em matérias obsoletas, como quem acorda de um sono de 20 anos e se depara com uma realidade diferente. E entendem assim que o que aprenderam já não se usa e já nem lembra.
Anos e anos embrionados em conhecimento pré-histórico ministrado por pterodáctilos (Pterodactylus sp.) e outros tipos de dinossauros que saíram do seu ovo em décadas passadas e nunca mais espreitaram cá para fora para ver se vinha a extinção.
Vamos avalia-los sim senhor e sim senhora!
Então no Supermercado a menina da caixa não é avaliada? Se ela estiver 10 minutos para fazer a conta a um tarado que queira preservativos ele não lhe cai em cima?
Vamos avalia-los pois, são os nossos filhos que eles ensinam bem ou mal e ninguém queria nem podia saber.
Vejam que são só os mais velhos é que vão à marcha. Os que estavam bem como estavam. Os novos que andam que nem ciganos de terra em terra em busca da estabilidade não vão lá! Esses não se importam de mostrar que são bons para ter a tão desejada estabilidade.
Quem não quer ser avaliado é porque tem medo que se descubra algo que não é bom que se saiba.

Turismo para quê



Hoje à tarde a RTP 1 esteve a fazer um directo da BTL (Bolsa de Turismo de Lisboa). Apesar de contar com mais de 300 expositores e alguns stands de grande qualidade, a nossa televisão pública não ligou patavina ao nosso país. A cidadã que se vê na imagem foi a única portuguesa entrevistada. Os outros dois eram espanhóis. Um deles a falar do interesse da feira em geral e outro a vender a Cantabria, uma região de Espanha que fizémos questão de promover. As nossas regiões de Turismo, nem vê-las, nem uma palavra. As imagens que se viram foi do Stand de Macau e o 'tema' desenvolvido foi a mostra de gastronomia ibérica, sempre com os 'nuestros hermanos' a pontuar. A conclusão que se retira é que não gostamos ou temos vergonha de nós próprios e depois, contraditoriamente, apregoamos aos sete ventos para 'irmos para fora cá dentro'. Assim não dá. Não podemos pedir uma coisa e mostrar outra no principal canal público de televisão. Ou puxamos todos todos para o mesmo lado ou continuamos a ser sempre os mesmos lorpas. Não há ninguém que denuncie esta vergonha. Aqui fica o meu 'reservado', mas real contributo. Amanhã conto mostrar-vos como se aposta verdadeiramente na divulgação e na projecção de um Concelho. O nosso.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Socrates Superstar



Há coisas que me incomodam e custa-me entende-las.
Eu dei formação nessa fábrica “Quimonda ” há uns anos atrás. Ainda se chamava “Siemens” e depois chamou-se “Infineon” e agora penso, como é que uma coisa daquelas fecha?
Será que fui eu?
Espero que não. Estou a entrar em depressão com isto.
Vou votar no Sócrates deixar que ele assuma as culpas sozinho.
Ele vai pagar-me todas as secas que me fez passar na escola com frases do tipo
“Todo o meu saber consiste em saber que nada sei.”
É que nao sabe mesmo.

Mais uma mentira

SÓCRATES QUIMONDA

A Quimonda, empresa de componentes informáticos com sede na Alemanha e com uma representação em Portugal, empregando, só no nosso país, quase 2000 pessoas, acabou de se apresentar à falência num Tribunal de Munique.
Ou esta iniciativa não passa de uma estratégia para forçar os credores a aceitar as suas condições de pagamento das dividas e o Estado Alemão a injectar mais uns milhões na empresa ou, se não for assim, avizinha-se mais uma tragédia social e laboral no Norte de Portugal (no centro, já bastam 0s 400 despedimentos anunciados na Citroen de Mangualde, aqui bem perto).
É curioso que na passada semana, José Sócrates, disse, em tom heróico, na Assembleia da República, que Jerónimo de Sousa, então a dissertar sobre este flagelo, não falava da Quimonda porque se o fizesse teria de realçar o excelente trabalho que o seu Governo levou a cabo para que a empresa não encerrasse.
O resultado está à vista. A pura realidade dos factos diz-nos que o Primeiro Ministro fez propaganda, como é seu timbre, mas não falou a verdade. O seu Governo ou nada fez ou foi ineficaz.
É neste foguetório de desinformação e manipulação que vive o Estado Central, mas a verdade é como o azeite, vem sempre ao de cima. Se este episódio fosse uma lição, Sócrates passaria a ser mais comedido e menos comediante. Mas não é. Não tarda, vai brindar-nos com novas 'conquistas' que assumirá como suas ou do seu Governo. E assim irá andando, até o Povo se fartar, o que também não tardará. Para bem deste bocadinho de Europa...

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Ai a GNR de Gouveia

Olhem esta da GNR de Gouveia, ali no cruzamento de Rio Torto na N.232.
Estava eu com o carro do Noddy, grande amigo meu, a mostrar a papelada e vejo um Sr de verde a mandar parar a carrinha que se vê no vídeo do outro lado.
Nota 20 para o GNR que na curva fechada que todos conhecem e com risco contínuo manda parar um pesado enorme, pondo em risco os que passam e as próprias fardas.
Era o maior, vestido de verde, botas de cavaleiro ali no meio da estrada, a pensar, “se aparece alguém a abrir amasso-lhe a grelha toda…”?
Ora, o que mais me lixa é que ia sujar o carro do Noddy de xixa de GNR picada.
Eu bem que o avisei, ele ainda me ralhou, fui-me embora e ele continua a ser GNR.
Há-de ser toda a vida GNR.
Coitado, até que uma jipose o leve.

video

Sem papas na lingua

Chiça, este homem tem uns #*#ticulos enormes.
Eu até fico com vontade de dizer quem sou só de ver isto…
Ora vejam o que se fala em fantoches:

Um mito chamado Obama



O Mundo 'repousa' no novo Presidente dos EUA. Ao que parece, não há criatura pensante que não pense que a humanidade vai ser salva. Da esquerda à direita, todos o consideram um bom homem, alguém que vai marcar uma nova era, um ser capaz de varrer a crise económica e a convulsão social que se sentem um pouco por todo o lado. Era bom, mas a sua arte não vai chegar para tanto. As expectativas que sobre ele se criaram são tão elevadas que só tem uma hipótese. Falhar e desiludir. Um só homem, por mais autoridade que tenha, não pode fazer tudo. A fome em África não vai acabar, as falências e o desemprego vão aumentar, a guerra em Israel não poderá ter senão uma curta trégua, a crise financeira mundial vai agudizar-se, os ódios raciais e religiosos estão para ficar e o resto ... ficará como dantes, ou parecido.
Esta embriaguez colectiva tem, porém, um lado bom. Há esperança e a esperança é a última a morrer. Enquanto ela dura, o nosso estado de alma está melhor. Ou pelo menos anestesiado, sem sentir a dor ou a suportá-la com mais ânimo. Mas tem também o seu lado mau. Quando acreditamos cegamente num lider, confundindo-o com uma causa, um ideal, desconfiamos de nós próprios e do nosso futuro. No fundo, o que lhe estamos a pedir, sem ele nos ouvir, é que nos ajude porque nós não somos capazes. Se fossemos, não precisávamos dele para nada. O ser humano é, por regra, egoista e individualista. Não domina os factos nem o futuro. Tem dificuldade em lidar com o desconhecido. Quando está bem, julga-se auto-suficiente. Quando tem problemas, apela a todos os Santinhos e entrega-se a algo ou a alguém que o faça sentir-se aliviado e lhe 'prometa' melhores dias. Só assim se explica que na tomada de posse de Obama estivessem, num sitio gelado e durante longas horas, milhares larguissimos de pessoas a mais de dois quilómetros de distância do seu Deus... Não o viam, não o conheciam, não lhe podiam falar ou tocar, mas lá estavam, embevecidos e frenéticos à espera de um milagre que dificilmente vai acontecer. Mas é assim, foi sempre assim. Criamos estes mitos sem percebermos que somos nós que, quase sempre, traçamos o nosso próprio destino...

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

web street de Gouveia

Andava eu por web street de Gouveia…

Museu da miniatura automóvel
…que pinta que tem aquilo lá
…mas a coisa mais gira
…este encontro.
...o primeiro carro que conduzi

Ena, derreteu-se tudo

O Sr. Presidente faça o favor de me desculpar pela minha saída de ontem.
Carago, lá porque mandei uma piadita não queria que tirasse a neve ó pipol.
Num tá certo.
Estou a escrever isto junto do meu amigo Jack.
Fino não é? Ser de Gouveia e ter um amigo assim com um nome tão estrangeiro.
Jack Daniels, moço americano de boas famílias que faltou à tomada de posse do Barraca Abana para estar aqui comigo esta noite.
Fica aqui um fotograma de uma Gouveia descongelada.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Gelado de Estrela (IceMusgo)



Pois é, Gelado de estrela, sabor a musgo (IceMusgo)

Neve assim só aqui em Gouveia.
Claro que tudo vai da proximidade que temos com a Capital da neve...
Já cá estamos a iniciar um processo de conservação e exportação de “Neve Biológica” para o árctico para prever o descongelamento dos Glaciares. Ora vejam:

Dread Zeppelin Heartbreaker

Isto é do melhor, para quem já tem um saco de memórias.



O YouTube anda a dar cabo de mim.

A Neve, por quem sabe de politica.




Ora bem, ainda aqui haver desentendimento!
O meu camarada põe aqui um texto a dizer bens e males da neve, e esconde uma verdade tão à vista?
Bolas somos de Gouveia e o que tem de ser dito, dito será.
Isto não é mais que coisas da Câmara. Pois é! Ano de eleições e dá nisto.
Eu já no verão passado comecei a topar a cena da câmara, ali no Hipismo…
Ia eu a passar na minha mobilete e quando dou por ela, estava o hipismo em pleno Verão, cheio de neve. Não pode ser! Assim deixa de haver o aquecimento para haver o arrefecimento Global.

Pior! Ontem fui passar o dia fora e hoje quando aqui chego deparo-me com isto. Tudo branco. Neve estragada por todo lado. Até na Estrela que ainda vai enferrujar mais.

E porquê? Só há uma explicação! Ano de eleições. É ou não é? O meu amigo escrivão bem que o disse nas entrelinhas.
Ainda quero ver onde é que a Sra Câmara anda arranjar o dinheiro para esbanjar assim neste aparato...
E os meus amigos cidadãos que vejam se não é verdade. Não se via uma coisa assim há anos. Nem no mandato anterior.

Vá lá o Sr. Presidente ter mais cautela com o que anda a fazer em relação a isso porque não vai tardar e tem aí a malta de Seia a meter uma queixa no tribunal. E com razão, afinal Seia é que é a Capital da neve.

Se um dia me apanham, só não me matam porque me suicido antes.

Greve Branca

Gouveia acordou diferente. Branca. Cheia de paz. Pelo menos na zona onde eu moro. Mas não há bela sem senão. A alegria de vermos tudo de outra cor contrasta com a tristeza de algumas atitudes. Estamos mesmo impreparados para lidar com um fenómeno que é nosso e que já devia fazer parte das nossas vidas. Mas não. Aproveitamos uma benção natural, para penalizar alguém sem justificação verdadeira e ponderosa. Pela manhã pus-me a caminho para o meu trabalho, onde cheguei sem problemas. As estradas estavam todas transitaveis. Na Instituição do meu destino, mesmo aqui ao lado, em Seia, logo me informaram que a única funcionária faltista era de Gouveia. Tinha telefonado a dizer que estava 'presa' na neve... Assim, desta forma, invia e fabricada, lá temos mais uma cidadã da nossa terra a contribuir para o ócio e para a improdutividade. O patrão que se arranje. Os outros cidadãos que precisam do seu trabalho que se amanhem!!! Que importa isso...

Mas há mais:

Ontem, os professores fizeram greve para lutarem contra as malfeitorias que o Governo lhes tem feito. Fizeram bem. Hoje, obrigaram os alunos a fazer greve para estes não terem de lutar contra as malfeitorias da neve e do frio. Fizeram mal. As Escolas de Gouveia não estavam inundadas de neve. Os acessos não estavam interrompidos, pelo menos todos. O alto Concelho podia ter problemas e os autocarros podiam ter dificuldades em circular. A solução seria, pois, deixar em casa os alunos de Folgosinho, Aldeias, Freixo e Figueiró e trazer os outros para a Escola, pois precisam de aprender. Nada disto. Por causa de três ou quatro dezenas de alunos, os professores, ou quem os dirige, deram férias às restantes três ou quatro centenas. É claro que eles agradeceram. O País é que não. E os pais também não. Depois queixem-se que estamos pior que o Burundi...


Ai o mau tempo!

As noticias de hoje dizem que o mau tempo está de volta. Chuva para o País e neve para a nossa Serra da Estrela, pelo menos, porque quando ela cai por cá também cai em Espinho, Montalegre, Portalegre e Monchique. Já não somos únicos, o que é mau mas também é bom.
É mau porque se os lisboetas ficarem pintados de branco já não vêm ao Sabugueiro comprar aquelas marroquinices nem a Gouveia provar as iguarias do 'JULIO' ou do 'ALBERTINO', para não falar de outros também muito visitados (obrigado LÀ EM CASA).
É bom porque a Protecção Civil sai dos gabinetes e tem oportunidade de mostrar para que serve, provando que não voltará a deixar no Marão os que lá estão durante longas horas fechados em carros.
O problema é que nós estamos um bocadinho longe e com azar voltaremos a sofrer as agruras desta maldita estação do ano.
Normalmente as estâncias de ski fecham no Verão e as praias fecham no Inverno. A Serra da Estrela tem fechado no Verão e no Inverno. Os primeiros flocos de neve na única estância de ski em Portugal deixam o Centro de Limpeza em verdadeiro estado de sítio. As estradas encerram, o trânsito pára, os paineis luminosos acendem-se indiscriminadamente, os acessos acabam, a estância fecha e um qualquer português desata logo a perguntar se consegue chegar a Gouveia ou se deve manter-se no sofá. É sempre assim. Todos os anos. Como alguém disse, o negócio que devia viver da neve e do frio, não sabe o que fazer com a neve e com o frio. O pior é que a região até tem investido em bons hoteis e noutras infra-estruturas e a Torre até criou novas pistas, comprou canhões de neve e dotou-se de mais tele-cadeiras. Mas alguém esqueceu o básico. Comprar mais uns limpa-neves e investir nos acessos existentes ou apostar noutros que permitam a mobilidade das pessoas em dias de sol ou de neve. Basta tirar o exemplo de outros paises, onde se criam pólos turisticos - é certo que com mais neve- que dinamizam as regiões.
Em Portugal, como sabemos, isso é dificil. No interior esquecido, como sabemos, isso tem sido impossivel. Preferimos sempre começar por comprar os carros mais caros. Depois é que nos lembramos que faltam as estradas.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

A ESPECULAÇÃO DOS NOMES

Neste ano de 2009 realizam-se três eleições. Em Junho, seremos chamados para as Europeias, onde 'votaremos' em deputados para o Parlamento Europeu e em 'causas' que dizem pouco à maioria das pessoas. Lá estaremos a cumprir um dever cívico... Em Setembro ou Outubro, elegeremos o próximo primeiro ministro, o que já diz muito a muita gente e ainda bem, porque é do futuro do País que se trata - quem não está bem deve mudar - e escolheremos o próximo Presidente da Câmara em eleições autárquicas que costumam 'aquecer' as terras e ser muito participadas.
Como é normal a nove meses de distância, já se fala em Gouveia nalguns cenários e em vários nomes. Com todo o respeito pela CDU, pouco interessa o candidato que irá apresentar. Não terá possibilidades de ganhar, pelo que ninguém (com excepção do próprio partido) perde tempo a efabular quem será o escolhido. O PS vive tempos de absoluta inoperância e desnorte, sendo que a opinião mais ouvida é que não tem no momento candidatos potencialmente ganhadores. O mais natural é que se auto-proponha o presidente da concelhia, Armando Almeida, que só por milagre se imporá aos eleitores. Outros há que esperam conhecer o nome do candidato do PSD para depois decidirem se põem a cabeça de fora ou se se mantêm quietos. Se o PSD apostar na reeleição de Álvaro Amaro, dificilmente algum destes socialistas se atreverá a avançar. Se o actual Presidente mudar de rumo, lá estará o PS a degladiar-se e a dividir-se. É a contar com esta fragilidade da oposição que já se fala numa candidatura independente, protagonizada por Luis Carrilho e apoiada pelos 'litigantes' do Presidente. Uma aventura deste género, assente na retaliação e na disputa pessoal e despida de causas mais nobres, está, para mim, votada ao fracasso. Mas seria interessante que os criticos do actual executivo trocassem a Praça de S. Pedro pelos boletins de voto, para saberem quanto valem e para permitirem que os Gouveenses os pudessem escolher... O PSD tem alternativas, falando-se obviamente na continuidade de Álvaro Amaro e, se este sair, na sua substituição por Carlos Peixoto ou Joaquim Lourenço. O que acontecerá ou não, saber-se-á em breve. Caberá depois aos candidatos dizer o que querem para o Concelho e aos eleitores escolher qual deles merece traçar o destino dos próximos quatro anos.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Gouveia a exibir-se


Pela primeira vez na sua história (penso não estar enganado), Gouveia vai estar representada no maior certame de Turismo de Portugal. A Bolsa de Turismo de Lisboa, que terá lugar entre 21 e 25 de Janeiro, na FIL, onde para além da forte presença do «Destino Portugal», das grandes empresas de Alojamento, Distribuição, Animação Turística e Transportes, e do alargamento da Àrea Internacional, vão ser realçadas algumas novidades como a realização das iniciativas BTL Negócios e BTL Rural, a Semana Ibérica da Gastronomia, e as inúmeras iniciativas promovidas por diversas Regiões de Turismo.
São esperados milhares de visitantes, que certamente não ficarão indiferentes à nossa presença.
Em boa hora, o Municipio de Gouveia, através da DLCG - Empresa Municipal, decidiu colocar-nos na rota do turismo mundial. O retorno que esta medida vai ter não é mensuravel, mas é, seguramente, uma evidência. Consta que Gouveia vai ter um stand criativo e atractivo, feito propositadamente para a mostrar nesta e noutras feiras e eventos do género. Diz o povo que quem não é visto não é lembrado. È imperioso que sejamos vistos para que possamos ser cada vez mais visitados, tanto assim que a 'indústria' do Turismo e a nossa imagem cada vez mais ligada à ESTRELA e à Serra, palavras que apesar de tudo ainda 'vendem', é inexoravelmente um dos nossos caminhos, senão mesmo o único. Sabe-se, aliás, que os actuais responsaveis autárquicos já perceberam muito bem isso mesmo e só assim se entende que tenham vindo - e muito bem - a apostar na produção de eventos que projectam o nome de Gouveia e a diferenciam positivamente das terras com o idêntico potencial. Verifica-se que estão a dar agora mais um decisivo passo, que se espera sem recuo até que Gouveia possa ter infraestruturas fixas ligadas ao turismo e desporto aventura que permitam aos que nos procuram ficar por cá durante mais tempo. É assim o nosso futuro.

Os Domingos

Os Domingos sao dias de trabalho. É hoje que temos a maior tarefa da semana, dormir até mais tarde, acordar diversas vezes e interiorizar que hoje é dia de trabalho, dia de pensar em mim. Sou de Gouveia e estou aqui a pensar nisso.
Sabem lá, os que de cá nao sao, o que é ser da Gouveia? E os de cá sabem?
Têm lá ideia do previlegio de é respirar o que aqui se respira? O transito, o sossego.
OK, acham que é a parvalhonia, não é? E o olhar de cima? Eu olho daqui de cima e vejo tudo e de tudo. Vejo e nao sou visto porque ninguem olha para aqui, mas isso tambem é bom.
Deixem-se de invejas e venham cá, ver se nao estou bem, se nao se está tao bem aqui, mas nada de estragar.
Ao Domingo Gouveia ainda é mais serra

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

A saga das rotundas

Raro é o português que sabe circular em rotundas. Irritante. É uma daquelas pequenas coisas que se mete comigo. Não há dia em que não insulte só para mim um daqueles meus concidadãos que têm o volante nas mãos e não sabe o que fazer bem com ele quando tem de andar à 'roda'. Os sabadeiros e domingueiros, são os piores. Geralmente vêm ou vão para o LIDL, muitos vezes de fatos de treino reluzentes e tripla risca vertical brilhante. Os que usam carros para abate, sem menosprezo pelos seus exiguos dotes, também não são bom exemplo.

O que é que dará a esta gente para andar sempre pela hemifaixa exterior da rotunda, mesmo que só queiram apanhar a terceira ou quarta saída? Para eles qual é, afinal, a utilidade da faixa interior, a mais encostada ao círculo central, a não ser para andar indefinidamente às voltinhas até ficar zonzo? A explicação só pode ser uma. O inultrapassável medo de terem sempre um carro à direita que os obrigue a andar de carroçel sem nunca poderem sair para o exterior.

E os pobres coitados que estudaram as regras e até sabem o que estão a fazer, pondo o carro no sitio certo? Há dias em que têm sempre o empata do lado direito e não evitam mais um enjoo à volta da rotunda até arranjarem uma heroica escapadela que os leve ao seu destino. Não se pense que esta problemática é questão comezinha ou birrice sem importância. É, antes de mais, um caso de policia, uma recorrente e sempreimpune violação das regras estradais e, já agora, um aparente defice cognitivo de quem anda verdadeiramente com a cabeça à roda. O que diz o Código é que deve circular-se sempre 'por dentro' e que só deve passar a transitar-se pela hemifaixa mais à direita (por fora) imediatamente antes da saída que se pretende tomar. Dada a proliferação destas bolas no asfalto, com verde e oliveiras à mistura, não ficam nada mal umas dicas comportamentais para que não nos continuemos a irritar uns com os outros com o dedo em riste.
Só assim poderemos ter um Bom Ano.

A vida de um abelhudo













A abelha é assim, voa voa e passa a vida a fazer mel.
É controverso isto, se pensarmos que são escravas do trabalho, e ninguém gosta de o ser.
Mas e se pensássemos nas nossas vidas assim:
Andar sempre a voar por aí… Caraíbas, Braziu, New York...
E cada vez que pousássemos iríamos fazer mel...



Ui, quem nos dera sermos abelhas…

Em vez disso, por vezes somos abelhudos, voamos desta para aquela opinião, pousamos numa qualquer flor que murcha de seguida e vomitamos um melaço que nem sempre adoça quem o prova.

Bzzz

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Um Blogue para quê


Esta é imagem que devia acompanhar o segundo texto deste novo - e ao que se sabe único - blogue de Gouveia.
A primeira, a editar com o primeiro texto, deveria ter sido a do rosto dos seus fundadores, mas como nenhum deles tem fotografias actualizadas, não era justo que induzissem em erro quem tivesse a curiosidade de os conhecer!!!
É claro que não pretendem ficar indefinidamente no anonimato (coisa feia...), mas cada coisa de sua vez. Primeiro GOUVEIA e as outras cousas... Depois, logo se vê.
A verdade é que o meu companheiro de escrita, numa 'produção' digna de ser sublinhada, antecipou-se e desatou a escrever sem explicar, sumariamente, o que vem a ser isto. É claro que ele não leva a mal que eu diga, em primeiro lugar, que 'isto' é uma diversão de dois amigos. Em segundo lugar, instrumento de divulgação do que se passa por cá. Em terceiro lugar, um fórum aberto a todos os comentários, dentro dos limites da decência e do respeito. Em quarto lugar, um 'lugar' sem fronteiras para cada um de nós exprimir como quer, sem grandes formalidades, a sua visão de Gouveia e de outros assuntos do nosso mundo, dos mais importantes aos mais comezinhos.
Ambos temos muito que fazer e, por isso mesmo, corremos o risco de não ter tempo para alimentar o blogue por forma a que se torne de leitura procurada e quase obrigatória. Mas tentaremos andar regularmente por aqui, seja com pensamentos sérios e objectivos, seja com reflexões mais mordazes ou humoristicas (o texto da abelha está bem 'esgalhado').
Vamos a ver...